Consumidores mais Informados, Melhores Alimentos

Graças aos desenvolvimentos tecnológicos na área da informação e da comunicação, tornou-se mais difícil para a indústria alimentar enganar os seus consumidores com slogans e publicidades dúbias.

A internet enquanto plataforma permitiu a pesquisa e troca de informação, e isso resultou em consumidores mais educados em relação à qualidade da sua comida, dos seus ingredientes e da forma como esta é produzida.

Muitos produtos e marcas que já existiam há anos no mercado foram obrigados a alterar as suas receitas e ingredientes graças à pressão exercida pelos consumidores.  Se não cederem à pressão de quem compra os seus produtos, estas marcas correm o risco de arruinar permanentemente a sua reputação e viabilidade enquanto negócio.

Cada vez mais os consumidores e a indústria levam a sério a máxima da cultura asiática “o alimento é medicamento” – mostrando também maior preocupação com a qualidade daquilo que a indústria alimentar produz.

Consumidores Motivam Avanços Tecnológicos na Agricultura e Indústria Alimentar

Graças a esta alteração no comportamento dos consumidores e da sua maior consciencialização, o paradigma na área da agricultura e do processamento alimentar mudou no sentido de tornar os produtos alimentares mais saudáveis.

Os produtores deixaram de se focar apenas em obter elevados rendimentos em variedades mais resistentes às doenças e pragas e também aos estresses ambientais, para se focarem também em produzir variedades nutricionalmente mais equilibradas para prevenir doenças e desnutrição. Isto acontece também na indústria do processamento alimentar numa tentativa de desenvolver produtos mais nutritivos e menos nocivos. Tudo isto pensado de forma também a tornar os processos de produção da indústria alimentar mais sustentável.

Tecnologia para Criar Alimentos mais Saudáveis e Nutritivos

Vários alimentos são agora produzidos de forma a conter nutrientes específicos ou ingredientes cuja função é melhorar a nutrição, o sistema imunitário, dar mais energia, prevenir doenças crónicas e reduzir os sinais de envelhecimento físico e neurológico.

Mesmo numa sociedade tão acelerada quanto a nossa, as pessoas querem produtos alimentares que lhes tragam mais saúde e longevidade sem que se tornem menos práticos de consumir. Portanto o desenvolvimento desse tipo de alimentos, com um paladar que seja agradável tornou-se num dos maiores objetivos da indústria neste momento.

Estes desenvolvimentos tecnológicos permitem melhorar o valor nutricional de certos alimentos, alguns exemplos são: trigo com maior conteúdo em zinco e ferro, soja com maior conteúdo de ácido oleico para manter a sua estabilidade e sabor durante a confeção, amendoins com um conteúdo proteico mais equilibrado, tomates com um nível mais alto de antioxidantes, batatas com mais aminoácidos, alho com maior conteúdo de alicina que ajuda a reduzir o colesterol e morangos com mais ácido elágico que ajuda a combater o cancro.

Também foram desenvolvidas formas de reduzir ou substituir por alternativas menos prejudiciais componentes dos alimentos como os açúcares, gorduras e toxinas que por vezes fazem parte da composição natural de um produto.

Alimentos Funcionais que sabem Bem

Para garantir que estes produtos alimentares tenham um alto teor nutricional sem pôr em causa o seu sabor, textura, aparência e funcionalidade, várias tecnologias alimentares foram desenvolvidas. Um dos exemplos é a encapsulação destes ingredientes ativos, que ajuda a manter a estabilidade e viabilidade desses ingredientes mesmo depois de processados, reduz o possível sabor desagradável dos mesmos e pode até controlar a libertação desses ingredientes saudáveis após a ingestão.

O desafio de manter um sabor agradável mesmo com estes ingredientes ativos é um dos maiores impulsionadores destes desenvolvimentos tecnológicos. Os avanços mais recentes na área da genética permitem identificar corretamente os genes responsáveis pela produção de um determinado nutriente, sabor, ou composto tóxico encontrado naturalmente nas plantas e desta forma possibilitando o seu melhoramento.

A fermentação e as enzimas podem ser usadas para reduzir o conteúdo tóxico, alergénico ou anti-nutritivo dos alimentos de origem natural, podem melhorar o sabor e aumentar naturalmente a existência desses nutrientes essenciais e ajudar na sua preservação.


0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *