papa de bebe

Quando o bebé nasce, a primeira preocupação dos pais é que cresça saudável e feliz… E há muitas formas de o conseguir, sendo que a alimentação, é um pilar base que potencia tudo isto!

 

Sabia que?

  • existe uma associação direta entre aleitamento materno e menor risco de infeções, asma, obesidadediabetes, leucemia, síndrome da morte súbita no latente, entre outras situações clínicas;
  • quando o bebe é amamentado com leite materno, não há necessidade de oferecer outros líquidos. Água, chás ou qualquer outro suplemento, são alguns exemplos. O leite materno é um alimento completo por si só. 

E se até aos 6 meses de idade (sempre que possível), a alimentação do bebé deve ser à base de leite materno, após este tempo, é conveniente diversificar-se o que come, de forma regrada.

Quando se faz a introdução de novos alimentos surgem sempre muitas dúvidas. Mas uma certeza terá que existir – o que a criança comer, deverá promover:

  • a sua saúde e bem-estar;
  • um crescimento e desenvolvimento equilibrado;
  • a criação de bons hábitos alimentares;
  • a sustentabilidade ambiental.    

E que alimento deve ser dado primeiro?

Regra geral, o primeiro alimento a ser introduzido no regime alimentar do bebé, é o caldo/puré de legumes ou a papa de cereais. Se optar pela segunda hipótese, além do elevado valor energético (cerca de 400 kcal/100g), as papas fornecem também:

  • hidratos de carbono;
  • proteínas de origem vegetal;
  • vitaminas e minerais.

 

Sabia que?

  • existem dois tipos de trigo – mole e duro, e que o primeiro é usado para fazer farinhas;
  • há um grupo de investigadores, que se dedica ao estudo e seleção de variedades de trigo mole que apresentem maior resistência ou tolerância às principais doenças e pragas desta cultura;
  • o objetivo deste Grupo Operacional (https://trigobtp.pt/), é valorizar a produção de trigos com baixo teor de pesticidas (trigos BTP), para serem usados nas farinhas para bebé.

Face a este trabalho, que envolve vários parceiros ligados à investigação, produção e indústria, já estão disponíveis no mercado, opções de papas à base de farinha produzida com trigos BTP.

A papa com origem nestes trigos, tem a vantagem de contribuir não só para a saúde do seu bebé, como também, para a preservação do planeta, dado que a matéria prima que lhe dá origem é obtida em condições de maior segurança alimentar, por estar praticamente isenta de químicos de síntese, nomeadamente os pesticidas.

A alimentação das crianças passa por uma fase de transição, entre a alimentação exclusivamente láctea e a alimentação familiar. Esta fase oferece à criança uma nova experiência, com oportunidades de aprendizagem diversa.

Esta nova etapa, além de contribuir para o seu crescimento físico, permite-lhe também um desenvolvimento a vários níveis. Psicossocial, emocional, cognitivo e motor, que se irá traduzir ao longo dos anos, no seu bem-estar.

Dicas para a fase de diversificação alimentar

  • a introdução dos novos alimentos deve ser flexível. Há que ter em conta fatores de ordem cultural, económica, social e questões relacionadas com a própria criança;
  • tanto as papas como os restantes alimentos sólidos devem ser dados com colher e não com biberão. Mas dê tempo à criança para se adaptar à colher;
  • para que o bebé se adapte a novas texturas e novos sabores (bem diferentes do leite materno) e para que seja possível identificar algumas intolerâncias ou reações alérgicas, a introdução das papas e outros alimentos deve ser gradual.

 

 Um bebé feliz depende de si… faça as melhores escolhas!

cimeira nacional invacao agricola

No próximo dia 29 de outubro, Lisboa acolhe a Cimeira Nacional da Inovação na Agricultura, numa iniciativa promovida pelo(a):

  • Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural (MAFDR);
  • Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) / Rede Rural Nacional (RRN);
  • Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV);
  • INOVISA em colaboração com a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a Agência Nacional de Inovação (ANI) e o APMEI – Agência para a Competitividade e Inovação.

De acordo com a Parceria Europeia de Inovação para a Produtividade e Sustentabilidade Agrícolas (PEI-AGRI), a execução de projetos inovadores assenta na criação de Grupos Operacionais (GO) que reúnam agricultores, investigadores, associações e empresas dos setores agrícola, agroalimentar e florestal e outras partes interessadas.

Sabia que os GO?

  • são parcerias constituídas por entidades de natureza pública ou privada;
  • têm como finalidade ligar a investigação realizada na área agrícola à prática de campo;
  • pretendem responder a problemas concretos ou oportunidades que se coloquem à produção;
  • têm em vista a produtividade e sustentabilidade agrícolas.

Assim, pretende-se reunir neste evento, todos os parceiros de projetos dos GO, bem como de outros projetos de inovação, tendo como objetivos principais:

  • desenvolver sinergias entre equipas e potenciar a rede de networking entre parceiros quer dos GO quer de outros projetos (H2020, FCT, PT 2020, LIFE, …), que trabalham temas de comum interesse, dando enfase às seguintes questões:
    • onde se chegou?
    • o que falta fazer?
    • discutir e contribuir para a Agenda do MAFDR para a Inovação.
  • promover o intercâmbio de boas práticas;
  • identificar desafios comuns e explorar potenciais soluções;
  • apresentar linhas orientadoras para o futuro da inovação no setor.

Durante este evento, haverá ainda lugar à “Atribuição do Prémio da Inovação – Caixa Agrícola”, à Mostra de start-ups – PT e à Apresentação dos Centros de Competências.

Nesta Cimeira Nacional da Inovação na Agricultura, o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural irá divulgar todos os projetos dos GO aprovados em Portugal, agrupados por 5 temas:

  1. Horticultura e Fruticultura
  2. Viticultura e Olivicultura
  3. Cereais e Leguminosas
  4. Produção Animal
  5. Florestas

recorrendo quer a pósteres quer a apresentações orais, vulgo pitch, que terão a duração de 3 minutos.

pesticidas

 

Quer este planeta para os seus filhos? Não!

Por isso o GO “Trigos BTP – Baixo Teor em Pesticidas” marcará a sua presença nesta Cimeira!

 

 

Sabia que?

  • o GO Trigos BTP, seleciona e valida variedades de trigo mole, que apresentem maior resistência ou tolerância às principais doenças e pragas que afetam esta cultura;
  • a produção deste trigo, com Baixo Teor em Pesticidas é usado para a produção de farinhas lácteas para bebés.

bebe comida

Fique a par do trabalho deste Grupo Operacional, através do site: https://trigobtp.pt/.

Ajude-nos a divulgar o que de bom se faz na agricultura em Portugal!

trigo sem pesticidas

São cada vez maiores, as evidências de que atingimos um ponto de consumo de recursos naturais e níveis de poluição tão elevados, que será difícil reverter esta situação.

No entanto, ao termos esta consciência, temos também a possibilidade de mudar hábitos para não agravarmos o problema. E podemos começar com atitudes tão simples no dia-a-dia, como:

  • consumir menos;
  • produzir menos resíduos;
  • ter uma alimentação mais saudável e sustentável;
  • apoiar a economia circular;

o que se resume a repensarmos o nosso estilo de vida, tendo presente que, fazemos parte de um todo e que é em conjunto, partilhando experiências e vivências, que podemos ter uma visão mais holística deste caminho evolutivo, que se mostra necessário.

 

E se tem um bebé ou filhos pequenos, mais urgente se torna esta mudança, pois é o futuro deles que está em causa…

“Nós não herdamos a terra dos nossos antepassados, pedimo-la emprestada aos nossos filhos” – Provérbio índio

 

Mas a mudança já está a acontecer em todo o mundo, quer a nível particular quer em diversos projetos governamentais e/ou cofinanciados, de cariz ambiental, social e económico.

Em Portugal, o que se está a fazer?

Existe um Grupo Operacional que está a estudar a possibilidade de produzir trigo mole com Baixo Teor em Pesticidas (trigos BTP) para a produção de farinhas lácteas para bebés.

Neste contexto todos ficam a ganhar, pois os consumidores reforçam a confiança nos produtos que compram, com a certeza de que são seguros, de alta qualidade, made in Portugal e produzidos de acordo com práticas agrícolas amigas do ambiente, promovendo a saúde dos bebés e do Planeta!

trigo comida bebe

Sabia que?

  • as papas para bebés são feitas com trigo mole;
  • uma das doenças mais comuns que atinge este tipo de trigo é a Ferrugem Amarela (cujo agente causal é Puccinia striiformis spp.);
  • este Grupo Operacional está a unir esforços para a caracterização exaustiva e identificação de variedades de trigo mole que sejam resistentes ou tolerantes a esta e a outras doenças e pragas comuns nos trigos.

Uma forma de amar é cuidar…

Ame o seu filho, cuidando da sua alimentação que deve ser sustentável, contribuindo não só para o seu bem-estar físico e emocional como também para a preservação dos recursos terrestres, que são finitos, potenciando assim uma melhor qualidade de vida para as gerações futuras.

Sabia que?

  • existem 2 tipos de papa de cereais:
  1. a láctea, que já contém leite e é preparada com água;
  2. a não láctea, que deve ser preparada com o leite habitual para o bebé ou leite materno.
  • a papa deve ser dada aos bebés cerca de 15 dias depois da primeira sopa, entre o 4º e o 6º mês de vida (dependendo da informação do pediatra);
  • depois dos 6 meses, a papa já poderá conter glúten (ex: papa de trigo).

Tendo em conta que uma alimentação correta do bebé pode prevenir doenças na idade adulta, é crucial a educação alimentar desde as fases mais precoces da vida.

trigo sem pesticidas

Face ao trabalho que está a ser feito por este Grupo Operacional e à informação que é disponibilizada no website do mesmo (https://www.trigobtp.pt), compete a cada um de nós, nos diversos papeis – pais, professores, cuidadores, educadores, fazer as melhores escolhas e dar o exemplo aos mais novos, promovendo valores que os vão tornar adultos saudáveis, comprometidos e responsáveis.

Importa não só deixar um mundo melhor às gerações futuras, como também, deixar melhores cidadãos ao mundo!

trigo mole comida bebe

Quantas vezes já se questionou, sobre a qualidade dos alimentos que dá ao seu bebé?
Provavelmente muitas, mas nem sempre sabe onde procurar respostas e se realmente elas são credíveis.

Sendo estas preocupações crescentes, temos boas notícias para si!

Com o objetivo de promoção da inovação no setor agrícola nacional no quadro da Parceria Europeia para a Inovação (PEI) para a produtividade e sustentabilidade agrícola, foram criados alguns Grupos Operacionais (GO) que:

  • são parcerias constituídas por entidades de natureza pública ou privada que se propõem desenvolver um plano de ação visando a inovação no setor agrícola;
  • em cooperação, desenvolvem esforços para realizar projetos de inovação que respondam a problemas concretos ou oportunidades que se coloquem à produção;
  • contribuam para atingir os objetivos e prioridades do Desenvolvimento Rural, nas áreas temáticas consideradas prioritárias pelo setor tendo em vista a produtividade e sustentabilidade agrícolas.

A produção de trigo mole com Baixo Teor em Pesticidas (trigos BTP) para a produção de farinhas lácteas para bebés, é uma dessas prioridades!

E assim, está a potenciar-se uma melhor qualidade de vida para as gerações futuras, não só pela melhoria da condição da saúde, mas do próprio meio ambiente.

Deste Grupo Operacional, cujo Plano de Ação é proposto para 52 meses, fazem parte as seguintes entidades:

INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária

IPBeja/ESA – Instituto Politécnico de Beja/Escola Superior Agrária

ANPOC – Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais

CERSUL – Agrupamento de Produtores de Cereais do Sul, S. A.

CABB – Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches

Espiralpixel, Unip. Lda.

 

Os objetivos que se pretendem atingir com esta iniciativa são:

  • Seleção – de variedades de trigos BTP, que apresentem maior resistência ou tolerância às principais doenças e pragas que afetam esta cultura, nomeadamente as novas raças de ferrugem amarela;
  • Validação – das variedades selecionadas, através de avaliações fitossanitárias e capacidade produtiva, testando e comprovando o seu comportamento em scale up;
  • Valorização – pelo aumento da área de produção de trigos BTP; planeamento da produção, centralização da armazenagem, transporte e comercialização de lotes maiores e mais homogéneos; garantia de rastreabilidade do produto, desde a sementeira até à obtenção do produto final – o grão;

o que se consegue dando um maior apoio aos agricultores nacionais (principalmente os do Alentejo, onde há maior tradição e áreas cerealíferas) para poderem recorrer a um serviço de aconselhamento e de assistência técnica (por parte dos técnicos das Organizações de Produtores), de modo a obterem um rendimento superior em culturas de qualidade mais elevada e utilizando menos recursos.

Face a esta oportunidade, é importante informar os consumidores do trabalho que está a ser desenvolvido, para que, de forma cada vez mais consciente, também procurem produtos nacionais, com qualidade premium, produzidos de acordo com práticas agrícolas sustentáveis e portanto, mais seguros para os seus bebés.

Cabe a si fazer a escolha!

Pode acompanhar-nos em https://www.trigobtp.pt